segunda-feira, 29 de maio de 2017


As Monjas Concepcionistas de Campo Maior
recebem nova postulante
Passados quase dois anos e em pleno ano centenário das aparições da Virgem Imaculada na Cova da Iria, novamente se abre a clausura, das Filhas de Santa Beatriz em Campo Maior, para receber uma nova postulante.
Desta vez, a jovem que começa a viver neste “divino caminho” (Regra, Capítulo II, 2), levando a Mãe de Deus, entronizada no seu coração, como exemplo de vida, para imitar a sua conduta inocentíssima (cf. Regra, Capítulo III, 7) é a Dina Isabel Correia. Chegou depois de almoço, acompanhada pelos pais, pela irmã e pelo pároco, vinda de Vila Franca de Xira. E, por volta das 15.30h, depois de se despedir da família e receber a bênção do pároco, foi recebida em festa, pela comunidade monástica à porta da clausura.
A Dina acolheu o chamamento de Deus e decidiu consagrar-lhe a sua vida, seguindo o caminho de radicalidade evangélica inaugurado por Santa Beatriz da Silva, abandonando “a vaidade do mundo e, vestindo o hábito desta Regra, desposar-se com Jesus Cristo nosso Redentor, pela honra da Conceição Imaculada da sua Mãe, façam voto de viver sempre em obediência, sem propriedade e em castidade, com clausura perpétua” (Regra, Capítulo I, 1).
Pela oração, como Maria de Betânia (cf. Lc 10, 29) e prostrando-se aos pés do Senhor, virando para Ele o olhar da alma, como incenso queimado a Deus, quer oferecer-Lhe um cântico de louvor e de intercessão em favor dos Homens seus irmãos. Aqueles a quem até agora corou as feridas do corpo.
Levando a Mãe de Deus, entronizada no seu coração (cf. Regra, Capítulo III, 7), a partir de agora, implorará de Deus, a cura das almas.
Pertencente ao Caminho Neo-Catecumenal, estudou enfermagem na Escola Superior de Enfermagem de Lisboa e exercia a sua profissão na NephroCare Portugal, SA.
Escolheu o dia 29 de Maio para a sua entrada no Mosteiro, por ser este o dia da sua Primeira Comunhão. Que “Jesus Escondido”, como chamava à Eucaristia São Francisco Marto, seja o seu alimento e a sua força. E o Coração Imaculado da “Senhora mais brilhante que o Sol” seja o seu refúgio e o caminho que a conduz até Deus.
Como sentinela vigilante espere o Senhor que vem (cf. Lc 12, 37), para que quando o Senhor chegar, encontre orantes sobre a terra.
Seja a sua vida, oculta, laboriosa e orante um hino de louvor em honra da Imaculada e para a glória de Deus (cf. Ef 1, 14) e possa cantar como São Paulo: “Já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim” (Gl 2, 20).

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Papa Francisco: Os monges e monjas mantêm vivos os oásis do espírito

Papa Francisco: Os monges e monjas mantêm vivos os oásis do espírito: Diante de mais de 250 participantes no Congresso dos Abades Beneditinos, em Roma, o Papa Francisco afirmou que os monges e as monjas no mundo de hoje têm um dom e uma responsabilidade especial que é manter vivo o “oásis do espírito”.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

quarta-feira, 8 de junho de 2016

SANTA BEATRIZ DE SILVA, ADALID DE LA INMACULADA


Editorial CPL

ISBN : 978-84-9805-895-6

Centre de Pastoral Liturgica C/Napols, 346, 1r - 08025 Barcelona - E-mail : cpl@cpl.es

En el siglo XV, una mujer de la nobleza funda una congregación religiosa movida por la devoción a la Inmaculada. Y la historia empieza así: "Beatriz de Silva (Campo Maior, Portugal, c. 1436 – Toledo, 1491) fue hija de Ruy Gómez de Silva, consejero del monarca portugués y alcalde mayor de Campo Maior, y de Isabel de Meneses, una de las hijas naturales de don Pedro de Meneses, primer gobernador de Ceuta, ciudad portuguesa en aquel entonces del norte de África. Ruy Gómez se destacó en la conquista de esta ciudad y quedó al frente del gobierno de Ceuta cuando su suegro, don Pedro de Meneses, volvió a Portugal. Hacia 1426, Ruy Gómez volvió también a Portugal y en 1433 era ya consejero del rey don Duarte, cargo bastante prestigioso. En 1435 fue nombrado alcalde mayor de Campo Maior, pequeña villa del Alto Alentejo, con todos sus derechos y rentas reales. Y aquí nació Beatriz en torno a 1436..."

terça-feira, 31 de maio de 2016


O capítulo monástico aceitou o pedido da Joana
para dar início ao noviciado

Em dia da Festa da Visitação de Nossa Senhora, exatamente no dia em que cumpre um ano da sua entrada no Mosteiro das Concepcionistas de Campo Maior, o capítulo monástico reuniu e votou positivamente o pedido da postulante Joana Filipa da Silva Rodrigues, para ser admitida à iniciação à Vida Religiosa (noviciado) com o Rito da Tomada de hábito, pois por chamamento de Deus deseja percorrer o caminho que a leva à identificação total com Cristo, seguindo o exemplo de Santa Beatriz da Silva: “Aquelas que, inspiradas e chamadas por Deus, desejam abandonar a vaidade do mundo e, vestindo o hábito desta Regra, desposar-se com Jesus Cristo nosso Redentor, pela honra da Conceição Imaculada da sua Mãe, façam voto de viver sempre em obediência, sem propriedade e em castidade, com clausura perpétua.” (Regra, Capítulo I, 1).

Não tendo sido ainda marcada a Tomada de Hábito e Iniciação à Vida Religiosa esta deve acontecer, segundo as constituições, nos próximos 3 meses.

Auguramos e imploramos de Deus para a Joana a fidelidade e perseverança neste “divino caminho” (Regra, Capítulo II, 2) e que leve a Mãe de Deus, entronizada no seu coração, como exemplo de vida e que imite a sua conduta inocentíssima (cf. Regra, Capítulo III, 7).

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Comunidade monástica Concepcionista de Campo Maior (Portugal)
foto captada a 2 de Setembro de 2015 no jardim do Mosteiro
 
 
Da esquerda para a direita:
Cima: sor Inês Maria da Santíssima Trindade; sor Maria Inês da Cruz; sor Maria Helena de Jesus; sor Magda da Cruz; sor Maria Imaculada; Maria do Carmo Castelo Branco (postulante); sor Maria Madalena da Divina Misericórdia (noviça); sor Marta Maria do Amor Divino (noviça); Joana Rodrigues.
Baixo: sor Maria Manuel da Anunciação; sor Maria Isabel da Santíssima Trindade; Madre Maria Teresa dos Anjos (abadessa); sor Ana Rita do Sagrado Coração de Jesus; sor Maria de Jesus; sor Consuelo do Coração de Maria; sor Maria Leonor de São José.
Na foto falta: sor Maria Teresa do Menino Jesus.